domingo, 25 de agosto de 2013

Katniss começa descobrir seu Amor por Peeta

O amor de Katniss por Peeta vai surgindo devagar, sem ela perceber "... até hoje não consigo deixar de fazer a ligação entre esse garoto, Peeta, o pão que me deu a esperança e o dente-de-leão que me fêz lembrar que eu não estava condenada".
Ela nunca deixou de reparar nele "... é esquisito o quanto ele reparou em mim. Tipo, o quanto ele prestou atenção às minhas caçadas. E, aparentemente, também não fui assim tão desatenta com ele quanto imaginava. A farinha. A luta livre".
Mesmo que ainda não tivesse a capacidade de enxergar as sutilezas dos jogos como Peeta, Katniss sentia que ele era diferente e quando ele diz "não quero ser transformado em algum tipo de monstro que sei que não sou ela "mordo o lábio, sentindo-me inferior."
Lá na caverna quando Peeta talvez não sobrevivesse ao amanhecer ela pensa com misto de alegria e tristeza "ninguém se ampara dessa forma há muito tempo. Nenhum outro par de braços fêz com que eu me sentisse tão segura".
Algo está acontecendo com seus sentimentos "seja lá o que for que estou sentindo, só diz respeito a mim e a mais ninguém." E quando ele a beija "esse é o primeiro beijo que eu realmente sinto chacoalhar meu peito. Gostoso e estranho. Esse é o primeiro beijo que me faz querer mais."
Como uma adolescente de 16 anos ela estava confusa "não tenho como explicar como são as coisas com Gale porque não conheço nem a mim mesma." Ela não sabia ainda distinguir a intensidade dos sentimentos por Peeta e " não é uma boa ideia me amar porque nunca vou me casar mesmo e ele ia acabar me odiando mais cedo ou mais tarde."

Nos próximos meses ela iria descobrir o quanto Peeta era importante mais por enquanto "pego a sua mão, segurando com firmeza, preparando-me para as câmaras e abominando o momento em que finalmente terei de soltá-la". (Jogos Vorazes)






Um comentário: